Bora por uma maquiagem nessa cara?

Creio sim que a vaidade deva independer do tamanho do manequim de cada mulher, isso porque a vaidade é extremamente ligada ao universo feminino e toda mulher não vaidosa, tende a se sentir menos mulher. Porém, tenho que confessar que a vaidade é algo que passava longe da minha realidade, simplesmente pelo fato de que envolvia me arrumar e me arrumar sempre gerava extremo desconforto e lágrimas constantes.

Era mais fácil pra mim me esconder em jeans e baby looks (que diga-se de passagem tornaram-se vestidos hoje no meu corpo) do que sofrer horas e horas tentando esconder ou procurar algo que disfarçasse o meu tamanho.

Hoje 34kg depois, tenho o prazer de dizer: pela primeira vez na vida, eu me sinto uma menina e provadores não mais me assustam e a realidade é que olhando pra trás, ou quando encontro alguma amiga que está vivendo o mesmo que vivi, só o que consigo pensar é: por que esperar?

Acreditem, vocês não precisam ser a Gisele Bündchen ou a Fluvia Lacerda para se sentirem bonitas ou merecerem se arrumar.
Batom, lápis de olho, vestidos...Se joguem, vivam o feminino!
As vezes esperamos a perfeição pra dar o nosso melhor, porém a realidade é que a vida pode nunca ser perfeita, então pra que esperar?

Vivam e nunca se esqueçam: gordinhas ou magrinhas, vocês são seres únicos e lindos, merecem ver o melhor de vocês nem que seja pra ficar dentro de casa. 


9 Comentários

Fabi Lange Brandes disse...

tbm senti isso depois de 39 kg perdidos, não tenho mais medos.... :0)

só uns poucos
beijos

E. disse...

Olha a margarida!!!

Gi, Projeto Eu Fininha disse...

Oi Ana, quando a gente está insatisfeita com a nossa imagem ter um pouquinho de vaidade parece difícil. Eu andava desleixada, mal me olhava no espelho, vestia blusões enormes ou chorava por nenhuma roupa ficar do jeito que eu queria. Agora, aos poucos estou resgatando o meu amor próprio, a vontade de cuidar mais de mim e isso vem me fazendo um bem cada vez maior. Concordo demais quando você diz que não precisamos ser modelos famosas, o que precisamos é encontrar dentro de nós o desejo de estarmos mais bonitas por e para nós mesmas sem espera.
Beijos

Mari Panunto Liporais disse...

sei bem como é isso, eu vivia num mundo afastado de tudo e hoje tenho prazer em me arrumar e me cuidar.

bjus

Bruna Vidal disse...

Poxa, Ana! Seus posts sempre me emocionam! Adoro seu jeito de escrever, é como se você tivesse escrito especialmente pra mim. Um abraço imenso! Bjs

Ru disse...

vc está mais magra ainda!! linda linda!! nem parece q já foi gordinha, q benção Ana! :) eu concordo c vc, eu memso gordinha faço questao de me arrumar, até pq trabalho com público e tenho q estar com uma boa imagem, então faço meu make up, cuido do cabelo,das unhas..

Andreia B. disse...

É as vezes a gente esquece desse ponto tão crucial que é ser/se sentir mulher! Eu preciso muito resgatar isso em mim... deixar de ser joãozinho hhihihi

Magrinha linda <3

Vivi disse...

E lá fui eu jogar a Fluvia Lacerda no google... ela é linda mesmo! O.O
Eu tenho uma vaidade disfarçada... heheheh.. Adoro me arrumar e maquiar, etc e tal, mas para sair com a minha mulher, ou nos finais de semana, pq de manhã, as 7hs, com animais pra alimentar, sujeiras deles pra limpar, banho e café da manhã pra tomar, eu q não quero ainda ter q me montar! (até rimou... rs)
Aliás, tu tá lindona mesmo!
Beijão!

Rita disse...

Olá Ana!
Hehe, eu sempre continuei a ser feminina, mesmo quando estava mais gordinha. Foi uma lição que a minha mãe me ensinou (e não estou a brincar!!!). Ela diz sempre: "mesmo que estejas gorda, com borbulhas ou mal-disposta, arranja-te filha! Vais ficar pior se não o fizeres, e esses defeitos notam-se ainda mais". E assim fiz. Por isso, Ana, eu acho que a tua lição para o mundo é óptima!
Beijinho